Paranapiacaba deve ser avaliada como um corpo complexo, onde a palavra-chave é integração, sem a qual nenhuma das partes poderá se beneficiar completamente. Toda a sua abrangência, desde seu caráter histórico, tecnológico, arquitetônico, social, cultural e ambiental, determina e impõe um perfil multi-disciplinar. Portanto, a revitalização da vila engloba um conjunto de propostas isoladas e associadas dos seus diferentes setores.

A proposta de desenvolvimento para a vila de Paranapiacaba está embasada na sustentabilidade da atividade econômica do turismo. Que significa assegurar que todo o processo de desenvolvimento esteja racionalizado, para não esgotar ou abalar os recursos disponíveis.

Considerando recursos todas as fontes de obtenção do desenvolvimento e de importância para a preservação das características locais, sendo estas de ordem natural, cultural, patrimonial ou social.

De modo geral, o objetivo deve ser o do estabelecimento de um aproveitamento racional e ecologicamente sustentável da natureza em benefício das populações locais, levando-as a incorporar a preocupação com a conservação da biodiversidade aos seus próprios interesses, como um componente de estratégia de desenvolvimento.

A proposta também segue os conceitos do ecomuseu, utilizados para determinar a participação efetiva e direta da população local no processo de desenvolvimento turístico.

O ecomuseu não é um museu ecológico, seu objeto de estudo é o Homem, vivo, pulsante, na sua ciranda comunitária. Tem a ver com a história e patrimônio físico, natural e cultural. Mais que isso, no entanto, o ecomuseu se realiza na memória coletiva, sua relação com o território, seu domínio sobre o cotidiano. Consiste no ser humano, sua ação, sua memória e sua obra coletiva.